Nascido para morrer, (a bi ku), O parimos e ele morreu” (a bi o ku), designando crianças ou jovens que desencarnam antes de seus Pais. Há, assim, dois tipos de ÁBIKÚ; O primeiro, Ábikú – Omode , designando crianças e o segundo, ÁBIKÚ – Agba, referindo-se a jovens ou adultos que desencarnam, em vias de regras, em momentos Significativos de suas vidas e sempre antes dos pais, apresentando  nisso uma alteração da ordem natural que socialmente é aceita e entendida como; Aqueles que chagaram ao Aiyê (mundo físico), primeiro, voltam primeiro ao Orún (mundo espiritual), nesta questão, além da lógica natural, está presente a garantia da continuidade no Aiyê e a certeza da lembrança e do culto aos Ancestrais que deixa descendentes que recontarão sua história ao longo dos tempos, garantindo assim a sua Sobrevivência na Comunidade. No “Orún vive um grupo de crianças chamadas Emere ou Elgbe e, este grupo constitui o Egbé Orún Ábikú, ou seja, a sociedade das crianças que nascem para morrerem.  Contam a lenda que a primeira vez, que os Abikús vieram para a terra foi AWAIYE e constituíram um grupo de DUZENTOS E OITENTA, trazidos por Alawaiye, chefe deles no Orún, na meta que une Orún ao Aiyê, Ikorita meta, todos pararam e vários pactos foram feitos, definindo o   particular do retorno de cada uma ao Orún, alguns voltariam quando Vissem pela primeira vez o Rosto da Mãe, outros quando Casassem, um terceiro grupo voltaria quando completassem determinado tempo de vida, um quarto grupo voltaria quando tivessem o Primeiro Filho, e assim por diante, e nem os carinhos dos Pais e o Amor deles que viessem a receber ou até mesmo os presentes não seriam capazes de retê-los na Terra. Esse pacto deveria ser cumprido e os seus companheiros no Orún (Céu), manter-se-iam presentes na sua vida, interagindo no seu dia a dia, para que não o esquecessem e retornassem ao Orún (Céu), tão logo o momento pactuado viessem a ocorrer.

Sacerdotisa de Orixá:  Iyanifa Talabi.

Orientações sobre está Doença. Ansiedade, Depressão, Síndrome do Pânico e outras tantas; as vezes será preciso tomarmos muito cuidado dentro do Terreiro de Umbanda quando alguém estiver nesta situação. E são muitos jovens que se encontram com esta doença Terrível. Precisamos saber como agir e quando agir e direcionar estes consulentes que nos procuram.

PS: Saber quando é doença física, e quando é Doença Espiritual.

A Depressão é uma Enfermidade e deve ser encarada como Tal.  Não é falta de espiritualidade, e nem mediunidade reprimida, tampouco basta força de vontade ou encontros sociais para curá-la.  Sua causa, em muitas das situações, é orgânica, por esta razão, devemos adotar uma Séria e Lucida Atitude em Relação a Ela…  Ela poderá se originar de alguns Desiquilíbrios Bioquímicos do Corpo, algum Advento Doloroso na Vida, Frustrações Excessivas, Incapacidade de lidar com o presente e situações na vida, no entanto, para muitas pessoas, ela simplesmente chega sem avisar, sem, que possamos identificar uma razão para a ela. Enquanto Umbandistas de fato e de atos, devermos buscar mais informações sobre estas e outras enfermidades, porque são tantas pessoas que buscam nosso TERREIRO na esperança de superarem está difícil realidade que nós as vezes erramos em definir esta situação como Doença da Mediunidade. A depressão, Ansiedade e Síndrome do Pânico, estão presentes em todos os grupos e camadas sociais tanto estas estão também entre os Espiritas, que vezes outras também fazem da mediunidade uma forma de trabalhar e na Ânsia de ajudar o próximo, fazem Desobcessôes Espirituais, como se tivessem fazendo algo muito simples, caindo assim em breve nesta situação Social. Para que possamos realizar nossa missão maior, o exercício da caridade, é preciso estar preparado a elas. Não criemos falsas ilusões, o tratamento espiritual poderá vir a ajudar muito, porém não SUBSTITUIRÁ o acompanhamento MÉDICO e TERAPEUTICO…  Da mesma forma que se vier alguém a Quebrar a Perna ou um Braço, não iremos tentar resolver apenas com um Passe ou um Banho de Ervas, será preciso orientar o Consulente a Procurar um ESPECIALISTA MÉDICO…  Para muitas pessoas, os Remédios são o melhor caminho para se curarem, o Terreiro não deverá desencorajá-las de usarem da Medicação Prescrita, além, de constituir em uma Grave IRRESPONSABILIDADE, poderá correr o risco de ser processado civil e criminalmente. A depressão é uma PERIGÓSSIMA DOENÇA, cujo sintomas podem levar à Morte por SUICIDIO, em razão disso, não nos baseemos em ACHISMOS DENTRO DO TERREIRO... Não estou aqui a dizer que a nossa Umbanda nada pode fazer por esses consulentes, ao contrário, seu benefício é imenso, ela é capaz de libertar qualquer alma da escuridão de sua mente, as GIRAS promovem a saúde em todos os sentidos, equilibra suas emoções, fortalece seu amor próprio, disciplina sua percepção, molda seus pensamentos, quebra o ciclo de negatividade, coloca o indivíduo regularmente em contato com diversas vibrações elevadas…   Entretanto, vamos abandonar o discurso que toda a depressão, é apenas fruto de uma obsessão, não será apenas em um único trabalho que iremos solucionar o problema deste consulente, é preciso um longo, duradouro, e consistente tratamento espiritual para isso…  Estas Enfermidades Mentais são partes das provações que estes indivíduos precisam saber lidar, uma longa transformação há de se operar, como a lagarta, ao se acasular, preparando-se para se transformar em alguns dias numa borboleta. Portanto, orientemos corretamente aos nossos consulentes que nos procuram, Ansiedade, Depressão e Síndrome do Pânico,

São doenças como qualquer uma outra. Façamos nossa parte, mas também aconselhamos um Acompanhamento Médico e Profissional. A Ciência e a Religião não se opõem verdadeiramente, ambas são criações Divinas a serviço da Humanidade. Sejamos Conscientes dos nossos potencias e também de nossos próprios limites, assim como a Ciência também o é, em suas designações e orientações médicas. TAMBÉM queria informar aqui para vocês Médiuns Consulentes e Simpatizantes, que já recebemos diversos consulentes encaminhados por profissionais que diziam não poderem fazer mais nada, já que o seu problema seria de Ordem Espiritual, tratamos e foram resolvidos todos os seus Medos e Angústias, porém, mesmo assim é preciso ter muita sensibilidade para poder saber o que realmente é uma Doença de Ordem Física, e o que Realmente é uma Doença de Ordem Espiritual. “”” Queria eu também dizer a todos através destas orientações que estamos Vivendo uma Época de muitos Suicidas Jovens, já que está juventude principalmente os nascidos entre os anos de 1990 até o ano de 2010... São jovens que trazem em seu DNA Espiritual, uma carga extra de prós e contras estas situações no mundo, Violência, Drogas, Vícios, Sexo Desenfreados, Situações de muitas Separações de Casais, Responsabilidades Extremas, falta de Trabalho e Perspectivas na Vida, tudo porque estes também vem trazendo em suas lembranças fatos de outras vidas, mesmo não tendo estes consciência do passado, sentem que existe algo de diferentes nestes nascidos nestes anos... Porém em muitos dos casos, nós orientamos quando procurados por estas pessoas, em nosso Terreiro que para alguns encaminhamos a medicina, em alguns casos, simplesmente orientamos a não se afastarem da espiritualidade, em muitos destes casos ficam conosco por anos e anos trabalhando para o bem comum de sua mediunidade e da sua vida, e muitos ainda estão na casa, ficaram resolvidas suas limitações e aprenderam através da MEDIUNIDADE que Nada Mais Sofreram e Estão Completamente Curadas destes Males Espirituais… OBS. Porém saliento aqui que em muitas destes casos, nós encaminhamos Primeiramente para alguém Profissional, visto que se trata realmente de uma Situação de Ordem Física e Psicológica do indivíduo.

Deixando aqui orientado que a partir deste ano iremos ver muitos suicidas jovens tentando contra a própria vida, estes são chamados de ABIKUS, e eles precisam serem Detectados Urgentemente, para quem sabe tanto a Medicina como a Espiritualidade possam ajuda-los.

Os Adultos sentem e leem o campo energético das pessoas, eles  são naturalmente leitores de manifestações energéticas gradualmente, estes adultos querem mais do que tudo  aprenderem a equilibrar sua energia  , assumirem a sua missão e Dons, aprenderem a como  se desenvolverem e Evoluírem, ajudando os que seguem neste mundo nascendo, as crianças e jovens, a frequência Não digo (Abikus), está disponível a todos os seres humanos e  podem serem acessadas na medida em que nossa consciência vai se expandindo mais e mais, durante os nossos aprendizados, quanto mais conscientes, mais Aptos nós nos tornamos a perceber e acessarmos outros diferentes tipos de Realidades, que antes nem Imaginávamos existir.   Na medida em que mais e mais seres humanos Índigos (Abikus), existam e convivam entre si, mais rápido se dará a nossa evolução espiritual, com esta convivência estaremos nos aproximando cada vez mais da QUARTA e QUINTA Dimensões, já que a Terra é originalmente um planeta da TERCEIRA Dimensão, devido ás consciências predominantes…  ABAIXO CITAREMOS. Algumas características de adultos Índigo (Abikus), para uma melhor compreensão da nossa temática aqui estudada…   Estes são muito inteligentes, apesar de não terem tido as melhores notas nas escolas por onde passaram e estudaram… Tinham e tem aversão ou detestavam grande parte dos trabalhos repetitivos e obrigatórios na escola ou faculdade, muitos experimentaram a DEPRESSÃO existencial bem cedo e sentimento de impotência ao decorrer de sua Infância e Adolescência… Tiveram dificuldades com os seus empregos supervisionados, os Adultos Índigos (Abikus), resistem á Autoridade e ao Sistema Hierárquico de Trabalho, tem problemas com sistema que consideram Falidos ou Ineficazes … EXEMPLO; Financeiro, Politico, Médico , Educacional etc…   Frustração ou Rejeição do Tradicional, EXEMPLO: ” Sonho de Carreira, Casamento, Filhos, um ardente desejo de fazerem algo para mudarem ou melhorarem este mundo, porém demorar até reconhecerem qual é a sua Vocação para realizarem estes seus desejos.  Desde muito novos tem interesses por assuntos Espirituais e Esotéricos, possuem uma forte Intuição no seu dia a dia tiveram experiências com psíquicas, tais como PREMONIÇÕES, Ouvirem e Verem Pessoas Desencarnadas, Experiências Fora do Corpo, etc… Os Índigos (Abikus), que já são adultos especialmente aqueles que chegaram e já têm Idades acima de 50 ANOS ou as vezes até mais, chagaram no planeta terra em uma época em que ainda haviam poucos Indignos (Abikus); por aqui e, portanto, a energia era mais Densa; os Paradigmas eram outros e a consciência  eram ainda mais Limitadas, os Padrões eram muito mais Rígidos e as Mentes dos Pais, Professores e Governantes eram muito mais limitadas que hoje em dia são…  Estes adultos Índigos (Abikus), encarnaram na terra em uma época em que a vida e a Realidade eram totalmente enquadradas em alguns Padrões Socialmente Aceitos e tudo o que não fosse enquadrado nestes eram tidos como Insistentes,  quando Crianças, eram Extremamente Sensíveis,  sensibilidades que lhes causaram enormes DIFICULDADES para a sua ADAPTAÇÃO, eram crianças cuja essência apontava na direção de uma Vida Espiritual, uma vida Guiada por Valores mais Elevados.   Imagine você o quão difícil foi Encarnar em uma época e em um contexto tão Contrário e Arbitrário á Manifestação de seus Dons Mediúnicos….  Missão destes seres na terra está voltada para a produção e mudanças, para a revisão de Valores e Paradigmas possam serem estabelecidos, assim a unidade e o Amor encontrarão espaços para se manifestarem.  No processo de Desenvolvimento Espiritual, os adultos Índigo )Abikus) ; presenciaram um choque significativo entre as energias mais Sutis e as mais Densas, oriundas principalmente de seu Universo Familiar e do seu Entorno,  poucas famílias estavam na época ESPIRITUALIZADAS O SUFICIENTEMENTE para recebê-los e compreendê-los, estas atitudes causaram-lhes grandes dificuldades de Adaptação por onde quer que fossem, seus Dons não eram aceitos em suas próprias famílias e, muitos se Desviaram do caminho Espiritual por não terem  tido as devidas aceitações por seus Pais Amigos médicos, sacerdotes etc., á sua volta, confundido este com valores retroativos ao da idade média as vezes… Eles foram e ainda são chamados de HIPERATIVOS, LOUCOS, BIPOLARES, ESQUIZOFRÊNICOS, DOENTES SEM CAUSA APARENTES, REBELDES SEM CAUSAS, e muitos foram excessivamente e ainda são MEDICADOS e INTERNADOS EM MANICÔMIOS, esquecendo-se de sua Verdadeira Essência vital.  Os Índigos (Abikus), que compreendem sua missão sabem da importância de sua Vinda a Terra, elas mantem a possibilidade de que a terra continuará a Evoluir sempre, tudo o que não serve á humanidade se desvanecerá com a sua presença, eles encarnaram para ajudar somente na transformação Social e Espiritual, Educacional, Familiar de todo o planeta, independe-mente das fronteiras e das classes sociais, são como Catalizadores para Desencadear as reações Necessárias para que aconteça todas as transformações sobre a humanidade….  Os Indignos (Abikús), não começaram a chegar a terra somente nas ultimas gerações; o que acontece é que o seu número está aumentando cada vez mais para nos auxiliarem no aumento Vibracional da Terra, eles já são tantos que, finalmente, não podemos mais Ignorá-los… Haja visto que em nossa casa de Socorro Espiritual, quantos aparecem para que nós o possamos auxiliar e, eles a nós, porém é claro que alguns partem antes de terminarem sua missão na casa, e seguem por outros caminhos que o deixará na deriva em breve, mas tentamos de todas as formas,  explicar nos mínimos detalhes para que fiquem e concedam a si mesmos a oportunidade de concluírem o que vieram fazer, mais ainda vemos muitas Discriminações que persistem ainda em nossos tempos, alguns os Pais, Alguns os Familiares mais Próximo, alguns os Médicos, alguns os Sacerdotes de outras Religiões, enfim ainda passamos por uma faze de aditação espiritual, e você Médium entende e compreende que nem todos nós podemos estar com a razão, mais para cada caso um caso, e em nossa casa de socorro espiritual, Ile Axé Luz de Odara de Jacarei SP, temos alguém realmente comprometido (a) com a Espiritualidade e com profundo conhecimento sobre  ÍNDIGO,  (ABIKUS), a  IYANIFA TALABI, reconhecida no meio espiritual e,  profunda conhecedora sobre o referido assunto através de seus Orixás e do Jogo de Búzios de Ifa,  a qual formada em território Africano como Sacerdotisa de Orixás…  Assim acredito eu, que repassamos algumas dúvidas diante do assunto em pauta, e que sirva ainda mais para o crescimento mediúnico de cada um de vocês Filhos Filhas e Simpatizantes de nossa Umbanda Sagrada do Ilê Axé Luz de Odara.

Sacerdotisa de Orixá:  Iyanifa Talabi.

Você realmente conhece as pessoas com as quais convive? Procura escutá-los(as) entende-los(as) e ajudá-los(as)? Sabe o que sentem e o que pensam? Um dos lugares mais difíceis que podemos nos colocar é o lugar do(a) outro(a), porque o caminho até lá é cheio de JULGAMENTOS e EGOÍSMO.

Temos uma dificuldade em nos colocar no lugar das outras pessoas, sejam pequenas situações cotidianas, até grandes problemas, que poderiam ser resolvidos com mais simplicidade se nós soubéssemos usar a empatia. Nós CONDENAMOS e atiramos muitas pedras naquilo que não entendemos, sem pararmos para tentar compreender as coisas por um ponto de vista diferente.

Esse é um movimento quase que involuntário do ser humano: procuramos criticar quase tudo a nossa volta. Principalmente quando nossos pensamentos entram em conflito com os de outras pessoas. Quando não somos capazes de entender alguma coisa procuramos desvaloriza-las com crítica, um meio ideal de facilitar nossa tarefa.

A empatia permite a compreensão das emoções e atos alheios, sem ter necessariamente que concordar com os outros. Esta virtude também requer aprender a afastar-se do “eu” (MEUS pretextos, MINHAS razões, MINHAS ideias, MEUS pensamentos) para saber pensar a partir da ótica do outro. Isso leva à ampliação das percepções e evita que julguemos os outros fechando-nos em um ponto de vista egoísta. A empatia tem o poder de mudar o mundo e trazer paz onde existe conflitos.

Ela é a melhor escolha para sermos melhores e estarmos perto das pessoas que realmente importam para nós. Ter empatia não é fazer pelo outro aquilo que você gostaria que fizessem por você. Ter empatia é fazer pelo outro aquilo que ele(a) precisa. É ter sensibilidade suficiente para perceber as necessidades dele(a), tirando completamente o foco do seu próprio umbigo. Por um mundo com mais empatia, bom senso, respeito e boas palavras. Que a gente se coloque mais no lugar do outro e pense bem antes de falar. É sempre bom lembrar que existe um mundo inteiro dentro de cada um, e tocar nesse solo sagrado é um ato de responsabilidade. QUE SEJAMOS SERES HUMANOS MAIS HUMANOS, mais gentis, mais generosos. A verdadeira caridade começa dentro de casa, se você não consegue compreender, respeitar e estender a mão para quem te ama, você não está pronto para fazer caridade ou para ajudar o próximo.

Sacerdotisa de Orixá:  Iyanifa Talabi.

A sensação pode ser de deslocamento, de não pertencer ou talvez de estar aqui por engano. Como se você fosse o Super-Homem, sem todos aqueles poderes, mas com toda certeza os seus pais te mandaram para um planeta que não é o seu. Você se sente diferente, sozinho e as vezes até preso em um corpo. Houve dias em que experimentei a péssima sensação de estar presa em mim mesma, a este corpo, e ter a certeza que esta é uma realidade artificial, e que em breve eu iria acordar.

Pode ser também que a sua saúde não seja das melhores, e desde que você nasceu ela insista em não ajudar você a ter uma vida tranquila em Aye (Terra), ou quem sabe você não exista socialmente, é uma mentira suas dezenas ou centenas de amigos sociais por que você não se apega e/ou jamais permite que se apeguem a você. Você é aquele símbolo do não pertence. É como se houvesse uma legião, uma força que te fizesse não amar estar vivo ou estar aqui, e não significa que você queira morrer, mas apenas de que não quer estar.

Sim, eu sei que estar aqui em Aye é uma benção, nem sempre é fácil e talvez muitas pessoas sintam alguma identificação com essas linhas porque a vida é uma montanha russa de emoções, mas também existe a possibilidade de que você tenha um contrato no Orun, um acordo, um pacto, que jamais será descoberto seu teor de forma completa com Egbe Orun (Sociedade do Céu – Comunidade dos Amigos Celestiais).

O Culto Tradicional Yoruba trouxe consigo o culto de alguns Orixás e Sociedades que ainda não eram cultuados no Brasil, ou que podem ter se perdido.

É muito íntimo falar como uma Elegbe, logo eu, que não gosto de falar da minha intimidade de jeito nenhum, muita gente pra julgar, poucos para moderar e tentar compreender as pessoas que pensam diferente. O meu olhar ser diferente do seu não define quem de fato é anormal. Afinal, aprendemos a falar de nós mesmos com superficialidade, para não transformarem informação em arma. Mas este relato tem um propósito muito maior do que a minha vergonha e ou medo. Não quero falar de acontecimentos sobrenaturais, não vou nem entrar nessa questão, quero falar do que pulsa na minha alma e o que me fez muitas vezes chorar atrás de portas e debaixo do chuveiro com uma saudade que doía fisicamente. Chorei com saudades de casa, de uma casa que eu não lembrava de onde era, mas tinha certeza de que existia. Como se tivessem me esquecido aqui ou me abandonado. Olhei muitas vezes para a minha mãe e para o meu pai ao meu lado e não me senti em família. Ligação ou dívidas de outras vidas talvez, mas família? Não, família não.

Me sentia mais em família quando brincava sozinha dentro de uma barraca feita de pano, com uns 5 anos de idade, e uma sombra aparecia para brincar comigo e me fazia rir. Conforme fui crescendo e principalmente depois do meus 7 anos, ela sumiu.

Houve tempos que o meu espírito foi se desconectando aos poucos do meu corpo, dia após dia, e quase virei um zumbi, nada aqui fazia muito sentido. Eu pedi muitas vezes para ir embora, para que alguém viesse me buscar. Por favor, não quero bancar a mórbida, eu apenas queria voltar para a minha casa, e ficar perto dos meus e isso não era possível aqui.

Por vezes, me fiz de surda e disse para mim mesma: Eu vou em frente. Mas eu dava um passo para frente, começava algo novo e quando eu menos esperava tudo dava errado. Como se uma força dissesse: “Ei, seu lugar não é aí! Seu lugar é aqui ao nosso lado. Volta logo para casa.” “Não se apegue a sua vida”.

Sou uma dos vários tipos de Elegbe, que também possuem outros sintomas, que tem sonhos que assombram, que acalentam e que me mostram as vezes o que está chegando por aí. Sou do tipo que tende ao isolamento. Tenho pavor de multidões, não gosto de festas ou encontro sociais, não gosto de falar com pessoas estranhas, não gosto de interagir e muito menos que toquem em mim. Eu me esforço MUITO para ser legal, ou tento né. Por mim eu deixava todas as pessoas no vácuo quando elas falam comigo. Feio né? Mas quase ninguém percebe. Talvez, se você também for um Elegbe possa me entender. Ei!!! não é por mal não, mas é que os animas andam em bando, por afinidade, por essência e eu me perdi na última revoada.

Somos uma Sociedade de amigos espirituais, somos unidos, alguns estão aqui em Aye e outros ficaram em Orun. Nos amamos tanto e somos tão unidos, que quando alguém do bando tem que vir para aye cumprir a missão do seu Orí, a gente nem liga, e fica chamando pra voltar logo para casa. O ouvido não ouve, mas a alma sente. Coisa de doido né? Não, não é não. Louco é tudo aquilo que a gente não conhece, até outro dia era feitiçaria e hoje é tecnologia. É apenas uma realidade diferente da sua.

Conheci Egbe Orun em 1997, ainda com o nome de Muso. A sensação de não pertencer melhorou MUITO, e as pessoas passaram a ser mais aceitáveis para mim. Mas ainda saboto o meu social constantemente. Ainda há oscilações de energia e até me iniciar em Egbé, preciso vez ou outra fazer um ebó para acalmar a minha galera de lá e me acalmar por aqui e reconectar com este mundo.

O culto a Egbé está intimamente relacionado ao culto dos ancestrais. Egbe Orun melhora a forma como a sociedade te vê e como você vê a sociedade, assim como trás a alegria de viver, saúde e prosperidade na vida daqueles que o procuram.

As pessoas que possuem pacto com Egbe Orun precisam cultuar Egbé, para que o seu Egbe tenha um pouco de paciência até o momento de você voltar para o seu lar. Caso faça a sua pesquisa no Google, entenda que não somos portadores da má sorte, nem deficientes espirituais como já dizem por aí. O assunto é extremamente complexo, para aqueles que irão fazer o curso de Abiku no próximo mês terão uma visão e entendimento da vida bem diferente do que vocês tem hoje. Asé

Translate »